Poesia

Espera a dança...

Me lembro de épicos, com suas cenas de batalha, quando o herói chega num nível crítico de exaustão e desânimo, ferido, angustiado. Classicamente, algo surge que lhe coloca um brilho nos olhos, um fogo. De repente, ele ganha uma nova energia, o que é decisivo ao combate. Por diversas razões, me sinto exatamente nesse ponto. Digo que, durante esse fim-de-semana, vivi o hiato do fim-de-batalha, vislumbrando a derrota iminente, e agora, após trazer à memória o que me norteia, o que me faz sentir-me vivo, ganho um novo ânimo. A força me retorna aos membros. A visão desembaça, a mente fica limpa. Não há mais dor ou angústia. O momento de lamentar os mortos passou, e o momento de construir ainda não veio. Ao hoje, só resta a batalha, e da luta não me retiro.

Conversamos hoje de manhã
Bebemos café, água, chá
Comemos pão, torta, palavra
Vivemos vida, família
Resolvemos, Revolvemos
Dissecamos o coração
Curou
Sarou

Conversamos hoje de tarde
Falamos de si, de ti, do outro
Fizemos perguntas
Demos respostas
Tiramos dúvida
Trouxemos à luz
Trouxe a luz
O tempo não é mais aterrorizante
O tempo já não é mais...
É menos
Espero que esperemos
A esperança alimenta a alma
A paciência rega o amor
E sigamos na luta
A batalha do Sol que raiou à pouco
E se recusa à deixar de morrer
E se recusa à deixar de nascer!

Não necessita de título, escrito ontem...

Hoje, vi uma flor
Tinha crescido no jardim
Eu a plantei
Mas não sozinho
É pequena
Mas é bela
Cresce, brilha
Brilha nos olhos
Olhos errantes
Se desviam para longe
Focam nas borboletas
Que voam livres
E vêm embrulhar
O estômago
Que nadam soltas
E vêm nos tirar
O fôlego
São belas, assim como a flor
Ridiculamente bonitas...

O Silêncio Grita

"Senhor querido,
Não tenho nada de tão importante à dizer,
a não ser um "obrigado".
Obrigado por preencher o meu ser,
e me transformar em um humano completo.
Não há o que ansiar,
pois a sua paz acaba com o anseio.
Ter esperança no Senhor
é o que me sustenta hoje,
e com o amanhã
não quer me preocupar.
Mas com minha alma,
hoje,
sim,
eu quero.
Quero ouvir seus lamentos e ruídos,
e trazê-los à você
juntando os cacos...
com miseriórdia..."

Não é um poema... é uma oração... Acompanhada de um sentimento:



"I Feel Loved" -Blue man Group

Se tiverem tempo, dêem uma lida no Salmo 131...

abraços!

B & W matters

International aid workers say
that the Darfur conflict
has turned a corner
from the neat-and-easy lines of government-backed Arab militiamen
versus black rebels,
and Sudan's ethnic...

"cleansing policies"

that the US government has called...




"genocide."


Today,
the lines between
friend and foe
have blurred considerably,
making the efforts
to resolve the conflict,
and to

help

noncombatants
all
the
more
difficult.

De uma notícia parada
Numa segunda-feira sonolenta
O sol que hoje nasceu sobre a nossa paz
Foi o mesmo que viu uma terra sangrenta
Um domingo inexistente
Uma missa do inferno da alma humana.

Ainda tenho sono...
Trecho em inglês
tirado daqui...
Lido por aí...

Terra à vista!


Toda vez que sinto
Que não há lugar no mundo
Para meu solitário coração
Tenho a impressão de ser mais um
Que gostaria de viver em outras terras
Outros tempos, outros mundos

Ainda assim, por detrás da gaiola
Alguém pede apreciação
Por favor, suplica ansioso
Capaz de metamorfose sombria
À agradar olhos de pouco valor

E, de repente...
Nada
tem
sentido...

Sentamos no chão
Cada qual apoiado em sua parede
Na cela da alma
Seus olhos vazios
Vazios de esperança, de sentido
Vazios de vida
É só uma casca vazia
Nem falar pode por si mesmo
Sua respiração é morte
É desespero
É angústia

Sem sentido
Que coisas tenho eu sentido
Que tenho, sim, sentido
Que tenho esperança
Tenho ouvido
Sussurros da terra
Pulso fluido de vida
Aroma suave do campo
Sinfonia, harmonia, segue o dia
Uma voz, calma monotonia
Eco da eternidade
Desfaz minha companhia sem valor
Brilha Sol forte
Brilha na escuridão
Brilha em mim às vezes
E se o amanhã não brilhar
Correrei e buscarei
Onde esconderam as velas
As velas acesas do cruzador
Dos mares sem fim
Navegar...
Navegar...
Navegar...
Fitar um horizonte sem fim
E esperar, paciente
O Novo Mundo emergir do fundo dos olhos
Lá tem lugar
Para os corações errantes
Lá é destino, é fim, é começo
é fim de solidão
é começo de tudo.


(Imagem por ~uvar)

Gritos Sussurantes

Não pense
Ecoa pelos cantos do mundo
Em cada esquina, na programação
No dever e no direito
Na fé mal-resolvida
No controle da vida

Eu luto
Não mais pela vida
Ou pelos direitos
Luto pela existência de minha mente
Luto por saber por que ou quem vivemos
Esse é o zênite humano?
Enterrar cada pedaço de real singularidade?
Confundir união com uniformidade?
Em que classe você está?
Em que time você joga?
Vista o uniforme!

Somos sobreviventes
Nós pensamos
Acreditamos em um novo horizonte
Me agarro à rocha
A referência universal
Escapo da tempestade mental,
Procuro a metade final

A ponte que nos separa
É feita de fé
e somente fé
pensada, sentida, resolvida
mastigada, regurgitada, analizada
viva, errante, indomável
louca, libertadora, branca
Fé, misturo ao pão
Tomo com café
Quero ficar acordado
E ver o amanhecer!

Aventuras del vale

Para abril não passar em branco:

Tenho dado desculpas a mim mesmo. Tenho tido pena de mim mesmo. Creio que não tenho sido sincero. Mas sou fraco. Sua mão, incrivelmente, apesar de não ser novidade, tem me sustentado. Às vezes me sinto como se tivesse muito o que fazer e não tivesse como. O amanhã me persegue irremediavelmente. E quando percebo isso, me lembro da verdade que me norteia (mas nem sempre), e procuro voltar-me ao hoje, nesse santo Carpe Diem, paradoxal, porque o senso de urgência faz parte da vida integral no presente. Mas ele não domina. O Tempo não é senhor. Já o senhor do tempo e da história, esse sim.

Àqueles com os quais minha comunicação é fisicamente prejudicada (novamente as desculpas...), é bom explicar um pouco do que acontece à este andarilho:

Já morri e ressucitei algumas vezes. o.O... A morte nunca é agradável, mas é necessária, como já dizia o sábio de Eclesiastes: "Há tempo de morrer (...)". No último desses casais morte-ressureição da vida cristã, à saber, no IPL 2007 (Instituto de Preparação de Líderes), diversas coisas novas se tornaram parte deste novo ser. Uma nova jornada começou. Lembro-me de ter ouvido alguém dizer que momentos de nascimento, de "descanso no monte", precedem vales tenebrosos. Jamais experimentei, em meus "eus passados", esse princípio com tanta intensidade. Contudo, tive um mês de fevereiro para descer lentamente do monte (um mês bastante produtivo, por sinal...), e que foi tão importante quanto o renascimento. Foi um momento de amadurecer este novo ser.

Após a descida, as águas de março fecharam o verão com suas tempestades (desculpem o drama, mas a poesia é irresistível). Na vida acadêmica, teve início meu 5o semestre, que logo descobri ser o mais estressante do curso até o momento. Somado à isso, o senso de urgência de fazer jus à iniciação científica que havia conseguido (e as constantes impressões de não ser bom o suficiente). Ainda falando da rotina, cotinuei (e ainda continuo) vindo de Jundiaí à Campinas todos os dias, totalizando, em média, 1h40 de ônibus por dia. Como nunca se está suficientemente fundo no vale, a coordenação da ABU se tornou uma tarefa angustiante (entendam.... Para mim!). Tinha a impressão de que ninguém tinha tempo ou vontade de ajudar. Estávamos (e ainda estamos) sem um tesoureiro, e adiamos todos os eventos marcados, por uma falta de organização. Contudo, Deus tem feito a sua obra na faculdade, e pessoas novas estão se aproximando do grupo, querendo auxiliar.

Bom, em meio à tudo isso, hoje reconheço a sabedoria de Deus, como ele disse à Daniel, quando falava dos últimos tempos: "Alguns sábios tropeçarão para que sejam refinados, purificados e alvejados" (11:35). Sabedoria que persiste até hoje, como se pode aprender ao assistir Pequena Miss Sunshine: "Os períodos da vida em que mais sofremos, são aqueles nos quais mais aprendemos e crescemos. São os que mais tem graça". Ah, a graça, que se transforma e renova, graciosamente, indomável, ininteligível.

Sou o que sou
Ainda que não saiba

Afinal, do ontem pouco restou
E o amanhã ainda não deu as caras

Serei o que não sou
Essa é minha esperança
Fortalecida pela promessa
Pois ainda hoje
Já sou o que não era

Ainda que se estenda o vale
Vale mais a pena continuar
Para que, custe o que custar, ter o que contar
Não ter pena de morrer
Não custa nada ressucitar
É de graça, é da Graça, tem mais graça.


Um grande abraço à todos!!

Tum tum, Tum tum...

Pois é... Muita coisa acontecendo... Não há muito tempo... Problemas... Mas no fim, tudo acaba bem, se não estiver bem, é porque ainda não acabou... Nada como ser surpreendido pela Graça vez após vez sem compreender quase nada...

Diário de 17/03/2007 - Sábado das incertezas

"Mas eu não sei
Na verdade quem eu sou..."

Podemos facilmente nos desviar e passar a agir em função de nós mesmos... Nem percebemos, e o foco passa para a nossa satisfação. "Buscai em primeiro lugar as coisas do Reino, e todas as outras vos serão acrescentadas." Palavras sábias do Grande Mestre. Só ele conhece de verdade o nosso enganoso coração. Porque me percebi buscando satisfação em muitas coisas, menos em Jesus. Mas aí, me perguntei: "Como buscar a satisfação em Cristo?"
Agora posso arriscar uma resposta. Acho que essa satisfação não deve ser buscada. Porque buscá-la significa procurar o meu interesse, e bem sabemos o que esse intuito egoísta significa. Então agora entendo que Deus me falou na quinta-feira. Quando refletia e me questionava, Ele me mostrou o quanto existem pessoas procurando ajuda, precisando de atenção, de amor... E agora me remeto à recomendação do Grande. Satisfazer nosso coração é tarefa que só Ele sabe fazer, então o melhor é deixar em Suas mãos. Buscar o Reino, que é levar amor, ter sede de justiça, pregar o evangelho, a unidade, viver cada dia como se fosse o último, amando, se entregando, e buscando os interesses do outro. Esse é o foco. Ser amigo dos que não têm amigos. Me ajuda nisso, Senhor, porque o resto eu já sei que o Senhor está trabalhando.

Essa poesia talvez seja uma das melhores que já fiz (tem um quê de Drummond):

"O coração
é sedento
é bonito
é feio
O coração
bate
rebate
recolhe
O coração
tem olhos
mas não vêem
têm catarata
O coração
não entende
não aceita
não ama
O coração
entende
aceita
até ama
O coração
erra pelo deserto
erra o caminho
erra
O coração
mente
fala a verdade
fala bobagem
O coração
procura remédio
pra ansiedade
de comprar remédio
O coração
é indomável
é incansável
é desanimado
O coração
é amigo
não tem amigos
é inimigo
O coração
é covarde
é indiferente
é confuso
O coração
meu caro irmão
é incompreensível
é irremediável
O coração
tem um segredo
que só quem fez sabe
e pode consertar

E deixo de lado
O "eu" antes desviado
Sugiro-me idéias
Grandes odisséias
Sai pra lá, espelho!
Não meta o bedelho
entre mim e o Céu

O coração
mudou de dono
será melhor tratado
e quem sabe matará sua sede
A minha canção
agora é o amor
não aquele do coração
que de amor nada tem
mas aquele que é como vento
Ninguém sabe de onde vem
Ninguém sabe pra onde vai
Já não preciso de mais nada.



Abraços calorosos à todos, com muito amor!!

Lições e Leões....


Por que ignoramos as pessoas que estão próximas de nós? "Somos uma máquina de preconceito" (Móya). Cada dia que passa, me torno mais consciente disso. Que surpresa agradável encontrar tanta coisa em comum numa conversa com dois porteiros. O que começa como uma "bonita" oferta de misericórdia minha, termina com um pedido de misericórdia de Deus...

Seu João é um cara muito legal... Manja teatro e cinema, sabe passar mensagens... Existem tesouros que nosso sistema social ignora, que estão debaixo do nosso nariz.

Veste o coturno
O guarda noturno
Segue à seu posto
Guardando no rosto
A marca da luta

Vai à Capital
Bagunça infernal
Compra e vende
Vende e revende
Muito Labuta

Mas nos olhos
De profundo azul
Jaz o sonho de quem ama
E dos mil papéis
Faz brinquedo e alegria
Faz espada e terror
Corre o lápis
Criando a peça
À ser vista
Servida
Para se ter vida
Nos lembra
Que em nossa senda
Pouco ou nada sabemos
E a sabedoria
Grita pelas ruas
Grande lição
Que de João em João
Chega ao nosso coração.


PS.: A imagem é uma peça chamada "Tropical", coloquei para que apreciemos um pouco da arte digital brasileira... Quem quiser ver mais da artista: *tosetti]

Grande abraço!!

Olhos emprestados

O poeta enxerga
O bem e o mal
Tão bem quanto mal
A si mesmo vê
Porque só quando adiante
O poeta Deus enxerga
É que espelho fita
E bem mal
O bem e o mal
Em seu coração vê
E aí que pode
O poeta seu ode
Sem fim nem começo
Declarar sem parar
Que liberdade
É um abraço que não queríamos
E que tentamos nos soltar
Mas persiste
Nos alcança
Nos constrange
Reparte
Parte
Mata
Cala
Fala
Ama


(Mais um que saiu no final do IPL 2007)

Abraços...

Divulgar conteúdo