Poesia

Desparadoxo Transcendental

Castelo
Sólido, sereno-imortal, alto da cor do Céu
Tudo na guerra, paz em salão
Flechas
Tormento, veneno-mortal
Dor lancinante, da qual me tira sua mão
Por favor...

Dor inescapável da qual escapamos...

Ele marcha,
Ao seu lado flores murcham de preto sinuoso
E a morte é seu escudeiro, odor de enxofre
Nos olha vermelho,
Pupila de poço infernal
Eterna ruína negra
destruição...

Ruína iminente que nunca alcança...

Eu, deixo o pronome
Desprendido
Largado no vácuo da inexistência
Sou um nada, uma poeira cósmica
Desapareço
Perdido
Mas um homem vem
Corta colinas e move mares
Olhos brilham de cheia luz branca
Profundo como um mar
Repleto de pérolas suaves, leitosas
Suas mãos são o carinho do vento.

O homem não é nada, um homem é tudo...

O próprio sangue de Deus
Farol ofuscante... com fome de corações
Ame-o ou odeie-o
Ignorar o deus-homem é fuga sem-saída
Antes do primeiro Sol
Mesmo após o vermelho do último
Ele é
E não há...
O leão-criador, a ovelha,
O rei-amoroso,
Profeta-misterioso
Vários são os nomes,

É só um, e é vários...

E correm como o vento
São bestas terríveis, ardilosas
Serpentes de puro veneno, ferrões de destruição
Fogo e enxofre, em milhares de maldade-encarnada
Mas medo não infligem
Não mais...
Não são...
Pois o espectro de fogo
O mal-de-todo
Já foi sentenciado
E calado
Pela palavra, uma única
Que caminha
Vale verde de paz-de-colina
Verbo-homem
Arauto de verdade
As nuvens do tempo
Neblina do destino
Se fecham
E nada mais existe
Só essa essência de cheio
E que vá ao inexistente
Todo meu círculo
Ele está ao meu lado
E a morte não é temor
Venha, lhe ensino o vôo
Quando a tempestade se for
Acorde
Acabou
Venha ver as flores
Tudo passou
Tudo agora é...
O Rei-no, enfim, chegou...

(inspirado pelo hino "Ein Feste Burg ist der Gott" - Marthin Luther - século XVI)

Uma pequena espiada...

Bom, eu retomei mesmo o meu maior projeto, então resolvi dar uma pequena amostra. Pra quem não sabe ou nunca viu, trata-se de uma sopa de letrinhas e imagens com estilo. Mais conhecida como HQ.

Tentativa...

Procuro em vão
Palavra doce, palavra poesia
Para indescrever sentimento multicolorido
Doce aroma de chuva alegre
Suave ruído de alma e fé
Não, não há
Não há pássaro que cante
Ou sereia que encante
Só isso que há
E há, não importa o mundo cinza
E toda flor e todo azul
Castelo na rocha
Fingindo não haver mundo ao seu redor
Águia majestosa
Se deliciando com o vento e só o vento
Imaginando o formigueiro estático muito longe
Mergulhando no céu infinito de paz
E só, e só
E não há, só há
E há de ser
Sempre será
E não

Turing, Cook, P, NP, SAT, ...

The Boolean satisfiability problem is in NP
because a non-deterministic Turing machine in polynomial time
can guess an assignment of truth values to the variables,
determine the value of the expression under that assignment,
and accept if the assignment makes the entire expression true.

Now suppose that a problem in NP is solved by the non-deterministic Turing machine
M = (Q, Σ, s, F, δ)
(where Q is the set of states,
Σ
the alphabet of tape symbols,
s
Q the initial state,
F
Q the set of accepting states,
and δ : Q × ΣQ × Σ × {−1,+1} the set of transitions)
and that M
accepts
or
rejects
an instance of the problem
in time
p
(n)
where n is the size of the instance
and p
is a
po
ly
no
mial
func
tion.
.
.
.
Me sinto em outro mundo, nesse exato momento... Devo voltar em breve...

Ex-morto = vivo ?

"A ressurreição de Jesus deve ser experimentada como algo maior do que um evento histórico passado. Caso contrário, é despojada de seu impacto presente."
(...)
"Em outras palavras, a ressurreição tem de ser sentida como presença do ressurreto.(...)"
"Nossa esperança está indissociavelmente relacionada com a consciente atenção a respeito da presença do ressurreto.(...)"

Barriga cheia... goiaba tem bicho

Pra quebrar o jejum de poesia aqui pela Ciudad...

Se todas as flores do mundo
Se todas as coisas mais belas
Mesmo que surpreendentemente belas
Seriam apenas ridiculamente belas
Apenas mais algumas (ou muitas) coisas belas
Se me estivessem à distância de um olhar
Ainda se todas coubessem nos olhos
Nas pequenas pupilas
Seriam ainda pouco
Totalmente insuficientes...

Victor Jara e a Ciudad del Pico

"Somos cinco mil aquí.

En esta pequeña parte de la ciudad.

Somos cinco mil.

 

¿Cuántos somos en total

en las ciudades y en todo el país?


Somos aquí diez mil manos

que siembran y hacen andar las fábricas.


¡Cuánta humanidad

con hambre, frío, pánico, dolor,

presión moral, terror y locura!

 

Seis de los nuestros se perdieron

en el espacio de las estrellas.

Un muerto, un golpeado como jamás creí

se podría golpear a un ser humano.

Curso de Férias nas Férias do Curso.

52% Engenheiro de Computação
87% Resolvido
100% Feliz

Curso de Férias, mudando o curso da vida (malditos trocadilhos)

Desde a formação de uma grande família até as práticas instruções de uma vida intensa, é difícil expressar com todas as letras o que foi essa semana da vida.

Ainda estou digerindo...

Segue o poema que abriu a serenata histórica, à luz de tochas:

Vento sul
Que traz as novas do oceano
Uiva e sussura com voz de azul
Das saudades de quem amo
Vem despertar, com suaves gritos
As estrelas floridas azuis-brancas

As 7 cartas

Me acerto
Me almejo
Me descubro
Me temo
Temo mais
À quem me mostrou
Descobri o impostor
Agora é só voltar
Ao primeiro amor
Àquele que tem ouvidos,
ouça...

O que há para ser descoberto
O será em segredo
Pulará por sobre as letras
Arrancando suspiros
Dos humildes de coração

Cartas de sangue
E sofrimento
Mas o pobre rico que sofre
Morrerá e tornará à viver
À exemplo do primeiro
Ao encontro do último
Sua prisão será sua liberdade,
Sua coroa
Ó linda Éfeso, amada Esmirna
Àquele que tem ouvidos,
ouças...

Poesia no espeto

Poeta Grill
A sua melhor opção!
Poesia, produto
Capitalismo porco
Porco no rolete
Bacon!

E by Campos:
"Asneira? Impossível? Sei lá!
Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu."

PS.: ria ou chore, fique à vontade...

Divulgar conteúdo