Poesia

Introspecção

Quando isso tudo acabar
vou pensar e sentir.
Quando passar esse vendaval
vou abrir a janela
fechar os olhos
e mirar o espelho
dentro de mim.

Eu resisto, sou o remanescente
luto contra mim mesmo
mas às vezes não sei por quê.

O dia se ergue, múltiplo
apresenta-se em tantas trilhas
em cruel ironia
Fico a admirar dias que não são meus
perco o interesse na minha trilha.

É por querer ser quem não sou?
culpas novas e velhas?
é como se me parecesse
que todos os seres me desprezam
embora ostentem sorrisos
e em vão tento fazer
para ser bom
aos olhos
que caem
desanimados.

O deserto se abre
mais uma vez me convida
ao tempo de sentir e pensar
e viver pisando na areia
esta e mais nenhuma
contemplar um horizonte
imutável, grandioso
seguir a nuvem à frente.

É tempo de pisar firme
de morrer
Deixa morrer
tudo aquilo que nunca viveu.

--
Imagem de Jay Axer

Haiku

primavera vem!
a alma vazia é
mundo inteiro

--
O que é um Haiku

Ao pequeno cristão

Se meu trabalho justiça não produz,
oposto, injustiça cego reproduz,
não se esconde a já pequena luz?

O verbo não se mistura
ultimato à todo pensamento
exige tudo e nada menos.
Não sou nada de valor
não conheço nada da verdade.

Pequena ovelha, ainda,
segue sua ordem, se mistura ao rebanho.
Trabalho algum faz-lhe crescer a lã

Faça, construa e doe
afunde-se em idolatria
assim talvez lhe venha dor.

Quando tiver suas patas de ovelha
notará que em sua garganta
não se achará mais nenhum "meu".

Um pastor somente conhecerá
saberá pela sua doce voz
firme, suave, aniquiladora e terrível.

Liberdade, um dia quem sabe
poderás ter se, pequeno cristão,
fingidor deixar de ser.

Tire as sandálias dos pés
neste solo que é santo
seja ninguém e siga.

Boa noite

Cansei de tentar me convencer
parece que a vida têm sido isso
insistir por não crer nas coisas
se por um lado tenho fé
por outro nunca a conheci.
Faço tantas vezes para me ver
mas no fazer encontro a verdade
não pelo meu esforço.

Todo santo dia é santo
cada vez mais chão sagrado
a vida e tudo que nela há.
Me canso de brigas, mas me revolto
revolto-me contra a maldade
tantas vezes em mim mesmo.

Eu, que sou orgulhoso
indiferente, egoísta, contraditório...
Eu sou a contradição!
Um problema a ser resolvido!

e quem senão Deus para me equacionar?
quem senão o homem para me dar a mão?

Não escrevo mais muito
sou um poema ambulante
nos altos e baixos
me cobro produção artística
me sinto em paz na guerra.
Viro e me reviro
quero mudar o mundo!
porque não consigo mudar eu (a mim) mesmo.

Sou covarde
não faço o que planejo
discurso para o espelho
brigo com meus inimigos imaginários.
Sou uma derrota ambulante
mas mesmo assim eu venci
sem ser forte, ou grande
eu sou um vencedor!
Mas sou o menor deles
e nenhuma glória me é dada
tampouco a quero.

Eu só quero paz!
Só quero o céu azul
um dia as nuvens vão passar
gosto do seu cinza
mas o seu tempo passa
estarei pronto?
Para deixar tudo?
Devo morrer portanto
estou morto, não existo!
Mas o sopro está em mim
como um grande rio.
Sou um grande rio!
não existo, mas quem pode me ignorar?
vou-me embora, não decido
Adeus e boa noite.

--

Faz tempo que não publico, estou atrasado... Bom, segue essa crua reflexão meio desvairada e apimentada de convicção.

Ponderações

O amor é o fundamento
nós sabemos desde sempre
Amor é vida
Deus é amor e é vida
Ir contra o amor é ir contra Deus
Ir contra Deus é pecado
Amar é viver
Respirar Deus é viver
Amar é respirar Deus
Homem é limite
é pó
Homem pode ter vida
pó pode ter vida
Homem de pó vive pelo amor
Amor não gera contradição
A existência é amor
amor faz existir
amor é voluntário
Consciência é saber do amor
Consciência é conhecer a natureza
a existência
consciência é negar amor
negar amor é morrer
negar amor é deixar de existir
é não existir
negar amor não destroi amor
amor é existência
amor existe no não-amor
o amor é Deus
Deus ama o não-amor
amar é o objetivo
existir é o objetivo
Deus é vida, amor, objetivo
Negar Deus é pecar
pecar é negar o amor
pecar é morrer

Aos puristas da lógica racionalista: Não, não são proposições lógicas.

Odisséia

Domínio, força
poder
não é estado
ou felicidade social
que buscam em luta
É desespero
por controle que a muito perderam

Não se pode dominar-se em seu mundo
mudar a si é mais difícil.

Inconforme

Chega
chega, chega!
Não me diga
não esclareça
Já se tem verdades que transbordam o copo

Serenata

Chuvas lamuriosas
dores do dia
cansaço, cabeça

Céu de muitos cinzas
água fresca
sapato molhado

Seus olhos verdes

seus verdes olhos
onde se vê um céu
de muitos cinzas

seus olhos
de dores e cansaço
mas lhe arranco o sorriso

E não está tudo bem?
está, meu bem, está!

Protesto

Contra tudo, contra todo mundo, contra mim mesmo
Não com palavras infames e maldições
antes buscando a doçura

Mas não deixo de protestar!
não deixe de protestar!

Protesto contra dominação,
contra a falsidade
a hipocrisia
Protesto contra um mundo de idéias.

Protesto contra toda gente
Não são bons, nenhum deles sequer
por isso protesto contra mim

Toda ordem deve ser questionada
toda paz deve ser incomodada
toda luta deve ser pensada
toda violência remediada
todo poder desmembrado
todo amor louvado.

O Pão nosso de cada dia...

O labor de quem tem grande sede consiste em, a cada dia, transformar o trigo da frustração no pão da esperança.

Divulgar conteúdo