Liberdade é amar como se o mundo hoje terminasse sem que sua própria vida fosse importante

Gritos Sussurantes

Não pense
Ecoa pelos cantos do mundo
Em cada esquina, na programação
No dever e no direito
Na fé mal-resolvida
No controle da vida

Eu luto
Não mais pela vida
Ou pelos direitos
Luto pela existência de minha mente
Luto por saber por que ou quem vivemos
Esse é o zênite humano?
Enterrar cada pedaço de real singularidade?
Confundir união com uniformidade?
Em que classe você está?
Em que time você joga?
Vista o uniforme!

Somos sobreviventes
Nós pensamos
Acreditamos em um novo horizonte
Me agarro à rocha
A referência universal
Escapo da tempestade mental,
Procuro a metade final

A ponte que nos separa
É feita de fé
e somente fé
pensada, sentida, resolvida
mastigada, regurgitada, analizada
viva, errante, indomável
louca, libertadora, branca
Fé, misturo ao pão
Tomo com café
Quero ficar acordado
E ver o amanhecer!

Só a loucura nos libertará

Não não, gente... Não é uma frase de Nietzche, nem a citação de outro filósofo doido. Não é nada vindo de um sábio do monte também.

Estava nesse fim-de-semana em Riberão Preto, onde aconteceu o Conselho Regional da ABU - Região SP/MS. Um encontro meramente administrativo, alguns podem dizer. Eu diria, construtivo. É nosso canteiro de obras, e pessoas se cansam e têm preguiça de ir ao canteiro de obras colocar seu tijolinho. Mas não é bem disso que quero falar.

Como sempre, o CR foi "metade de mim, agora é poesia, o verbo e a saudade, do outro a luta, força e coragem pra chegar no fim". Nosso movimento, acima de tudo, é uma família. Somos muito longe de ser perfeitos. Não sabemos nada, não fazemos nada direito. Mas estamos dispostos a continuar. O remanescente fazendo missão. Um novo ânimo. Ao voltar para casa, me senti como na volta do Missão 2006, à mais de um ano atrás. Olhava para as nuvens, no silêncio da viagem. Ouvia as tranquilas canções de Dago Schelin, a ecoar:

"Ó, meu Jesus, quero tanto
Ser um canto a ressoar
Sua voz, suas palavras,
Os seus passos quero pisar"

O chamado, a comissão... A lição nós já sabemos decor. A obra nasceu no coração Dele, e é dele. Nosso chamado a participar dessa obra é, na verdade, uma revolução, uma subversão. É um convite à loucura!

Que ele nos lembre disso, e nos capacite a continuar fazendo sua obra, cumprindo nosso papel e levando amor ao mundo universitário.

À propósito, a frase do título eu vi durante a viagem, num parachoque de caminhão... A sabedoria andando nas trilhas de um simples camioneiro... Parece com isso aqui?

"Pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para confundir os sábios; e Deus escolheu as coisas fracas do mundo para confundir as fortes;" 1 Coríntios 1:27

... Afinal, o quão sábios somos?

Grande abraço a todos!!!

Santos, a TV, e a vida que passa...

Não, não estou falando do Santos FC, para os fanáticos por futebol. Recentemente foi realizada pela segunda vez no Brasil a campanha "Desligue a TV". A proposta: Substituir o uso abusivo da televisão por atividades culturalmente e fisicamente mais sadias. Não é uma campanha contra emissoras monopolizadoras e manipuladoras. Não é uma jogada de marketing. Não saia por aí com uma marreta para "libertar" as pessoas. De fato, a muito tempo não ligo a TV. E não sinto falta dela. Entretanto, os efeitos nocivos do excesso na frente da telinha são inegáveis, principalmente com relação à alienação do povo brasileiro. Segue um pequeno poema para acompanhar o desenho macabro acima (por sinal, de minha autoria..)

 

Os Santos Estão ocupados

Os Santos Estão irreconhecíveis

Os olhos já cansados

Os olhos ainda fitam

Fique atento

A qualquer momento

Novas informações de como caminha

Aquele velho e conhecido mundo

Te diremos o que quer e o que sabe

Nada acrescentaremos

Mas somos divertidos

Não se esqueça de nos ver

Não vá embora

Não pense!

Não reflita nada

Além do reflexo de nosso vidro

Temos o que você precisa

O amanhã, temos a programação

Somos resposta

Do anseio profundo

Que você tem

De saber

De conhecer

De ganhar o mudo

E perder a alma

Pra quê alma?

Esqueça tudo

Pegue seu controle

Controle o mundo inteiro

Sente-se e...

Morra feliz!

 

Os olhos estão vermelhos de sangue

Os olhos ainda estão fixos

Os santos já não têm face

Os santos dormem envoltos em luz azul.

 

 

Um grande abraço a todos!! Ps.: Agora saia da frente do computador, e vá ler um livro, jogar um jogo, passear por aí... :D

Aventuras del vale

Para abril não passar em branco:

Tenho dado desculpas a mim mesmo. Tenho tido pena de mim mesmo. Creio que não tenho sido sincero. Mas sou fraco. Sua mão, incrivelmente, apesar de não ser novidade, tem me sustentado. Às vezes me sinto como se tivesse muito o que fazer e não tivesse como. O amanhã me persegue irremediavelmente. E quando percebo isso, me lembro da verdade que me norteia (mas nem sempre), e procuro voltar-me ao hoje, nesse santo Carpe Diem, paradoxal, porque o senso de urgência faz parte da vida integral no presente. Mas ele não domina. O Tempo não é senhor. Já o senhor do tempo e da história, esse sim.

Àqueles com os quais minha comunicação é fisicamente prejudicada (novamente as desculpas...), é bom explicar um pouco do que acontece à este andarilho:

Já morri e ressucitei algumas vezes. o.O... A morte nunca é agradável, mas é necessária, como já dizia o sábio de Eclesiastes: "Há tempo de morrer (...)". No último desses casais morte-ressureição da vida cristã, à saber, no IPL 2007 (Instituto de Preparação de Líderes), diversas coisas novas se tornaram parte deste novo ser. Uma nova jornada começou. Lembro-me de ter ouvido alguém dizer que momentos de nascimento, de "descanso no monte", precedem vales tenebrosos. Jamais experimentei, em meus "eus passados", esse princípio com tanta intensidade. Contudo, tive um mês de fevereiro para descer lentamente do monte (um mês bastante produtivo, por sinal...), e que foi tão importante quanto o renascimento. Foi um momento de amadurecer este novo ser.

Após a descida, as águas de março fecharam o verão com suas tempestades (desculpem o drama, mas a poesia é irresistível). Na vida acadêmica, teve início meu 5o semestre, que logo descobri ser o mais estressante do curso até o momento. Somado à isso, o senso de urgência de fazer jus à iniciação científica que havia conseguido (e as constantes impressões de não ser bom o suficiente). Ainda falando da rotina, cotinuei (e ainda continuo) vindo de Jundiaí à Campinas todos os dias, totalizando, em média, 1h40 de ônibus por dia. Como nunca se está suficientemente fundo no vale, a coordenação da ABU se tornou uma tarefa angustiante (entendam.... Para mim!). Tinha a impressão de que ninguém tinha tempo ou vontade de ajudar. Estávamos (e ainda estamos) sem um tesoureiro, e adiamos todos os eventos marcados, por uma falta de organização. Contudo, Deus tem feito a sua obra na faculdade, e pessoas novas estão se aproximando do grupo, querendo auxiliar.

Bom, em meio à tudo isso, hoje reconheço a sabedoria de Deus, como ele disse à Daniel, quando falava dos últimos tempos: "Alguns sábios tropeçarão para que sejam refinados, purificados e alvejados" (11:35). Sabedoria que persiste até hoje, como se pode aprender ao assistir Pequena Miss Sunshine: "Os períodos da vida em que mais sofremos, são aqueles nos quais mais aprendemos e crescemos. São os que mais tem graça". Ah, a graça, que se transforma e renova, graciosamente, indomável, ininteligível.

Sou o que sou
Ainda que não saiba

Afinal, do ontem pouco restou
E o amanhã ainda não deu as caras

Serei o que não sou
Essa é minha esperança
Fortalecida pela promessa
Pois ainda hoje
Já sou o que não era

Ainda que se estenda o vale
Vale mais a pena continuar
Para que, custe o que custar, ter o que contar
Não ter pena de morrer
Não custa nada ressucitar
É de graça, é da Graça, tem mais graça.


Um grande abraço à todos!!

Tum tum, Tum tum...

Pois é... Muita coisa acontecendo... Não há muito tempo... Problemas... Mas no fim, tudo acaba bem, se não estiver bem, é porque ainda não acabou... Nada como ser surpreendido pela Graça vez após vez sem compreender quase nada...

Diário de 17/03/2007 - Sábado das incertezas

"Mas eu não sei
Na verdade quem eu sou..."

Podemos facilmente nos desviar e passar a agir em função de nós mesmos... Nem percebemos, e o foco passa para a nossa satisfação. "Buscai em primeiro lugar as coisas do Reino, e todas as outras vos serão acrescentadas." Palavras sábias do Grande Mestre. Só ele conhece de verdade o nosso enganoso coração. Porque me percebi buscando satisfação em muitas coisas, menos em Jesus. Mas aí, me perguntei: "Como buscar a satisfação em Cristo?"
Agora posso arriscar uma resposta. Acho que essa satisfação não deve ser buscada. Porque buscá-la significa procurar o meu interesse, e bem sabemos o que esse intuito egoísta significa. Então agora entendo que Deus me falou na quinta-feira. Quando refletia e me questionava, Ele me mostrou o quanto existem pessoas procurando ajuda, precisando de atenção, de amor... E agora me remeto à recomendação do Grande. Satisfazer nosso coração é tarefa que só Ele sabe fazer, então o melhor é deixar em Suas mãos. Buscar o Reino, que é levar amor, ter sede de justiça, pregar o evangelho, a unidade, viver cada dia como se fosse o último, amando, se entregando, e buscando os interesses do outro. Esse é o foco. Ser amigo dos que não têm amigos. Me ajuda nisso, Senhor, porque o resto eu já sei que o Senhor está trabalhando.

Essa poesia talvez seja uma das melhores que já fiz (tem um quê de Drummond):

"O coração
é sedento
é bonito
é feio
O coração
bate
rebate
recolhe
O coração
tem olhos
mas não vêem
têm catarata
O coração
não entende
não aceita
não ama
O coração
entende
aceita
até ama
O coração
erra pelo deserto
erra o caminho
erra
O coração
mente
fala a verdade
fala bobagem
O coração
procura remédio
pra ansiedade
de comprar remédio
O coração
é indomável
é incansável
é desanimado
O coração
é amigo
não tem amigos
é inimigo
O coração
é covarde
é indiferente
é confuso
O coração
meu caro irmão
é incompreensível
é irremediável
O coração
tem um segredo
que só quem fez sabe
e pode consertar

E deixo de lado
O "eu" antes desviado
Sugiro-me idéias
Grandes odisséias
Sai pra lá, espelho!
Não meta o bedelho
entre mim e o Céu

O coração
mudou de dono
será melhor tratado
e quem sabe matará sua sede
A minha canção
agora é o amor
não aquele do coração
que de amor nada tem
mas aquele que é como vento
Ninguém sabe de onde vem
Ninguém sabe pra onde vai
Já não preciso de mais nada.



Abraços calorosos à todos, com muito amor!!

Mulheres e os tempos...


Dia Internacional da Mulher...

Meus parabéns à todas (atrasado)... Que possamos nos lembrar do quanto sofreram, e ainda sofrem, as mulheres por serem discriminadas, exploradas, abusadas e menosprezadas...

"Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus."


Carta do apóstolo Paulo aos Gálatas
(Capítulo III, v 28)


O antigo poema que estava no Orkut (não tem a ver com a data!):

"Que belas estrelas
Iluminam as telas
Que na imensidão
Do vazio cheio
Da amorosa Existência tripla,
Pintam as maiores maravilhas
Das menores vidas,
Que de velhas se fazem novas,
De Amor,
Paz,
Glória eterna,
Vocês, nós...
Nós."

Lições e Leões....


Por que ignoramos as pessoas que estão próximas de nós? "Somos uma máquina de preconceito" (Móya). Cada dia que passa, me torno mais consciente disso. Que surpresa agradável encontrar tanta coisa em comum numa conversa com dois porteiros. O que começa como uma "bonita" oferta de misericórdia minha, termina com um pedido de misericórdia de Deus...

Seu João é um cara muito legal... Manja teatro e cinema, sabe passar mensagens... Existem tesouros que nosso sistema social ignora, que estão debaixo do nosso nariz.

Veste o coturno
O guarda noturno
Segue à seu posto
Guardando no rosto
A marca da luta

Vai à Capital
Bagunça infernal
Compra e vende
Vende e revende
Muito Labuta

Mas nos olhos
De profundo azul
Jaz o sonho de quem ama
E dos mil papéis
Faz brinquedo e alegria
Faz espada e terror
Corre o lápis
Criando a peça
À ser vista
Servida
Para se ter vida
Nos lembra
Que em nossa senda
Pouco ou nada sabemos
E a sabedoria
Grita pelas ruas
Grande lição
Que de João em João
Chega ao nosso coração.


PS.: A imagem é uma peça chamada "Tropical", coloquei para que apreciemos um pouco da arte digital brasileira... Quem quiser ver mais da artista: *tosetti]

Grande abraço!!

Olhos emprestados

O poeta enxerga
O bem e o mal
Tão bem quanto mal
A si mesmo vê
Porque só quando adiante
O poeta Deus enxerga
É que espelho fita
E bem mal
O bem e o mal
Em seu coração vê
E aí que pode
O poeta seu ode
Sem fim nem começo
Declarar sem parar
Que liberdade
É um abraço que não queríamos
E que tentamos nos soltar
Mas persiste
Nos alcança
Nos constrange
Reparte
Parte
Mata
Cala
Fala
Ama


(Mais um que saiu no final do IPL 2007)

Abraços...

Quarta-feira das cinzas...

Dia de descanso, do corpo. O acampamento da igreja, mais do que qualquer coisa, me fez sentir parte desse grupo de pessoas, que cada vez mais percebe sua aventura na Terra. Lutarei com minha força, me cansarei, usarei o ódio como espada, e ferirei com minha ingratidão. Sem valor, independente de Deus, virarei o rosto para o leão, e renunciarei a valentia. Ainda assim, a marca jamais perderei, e seguiremos nosso caminho pedregoso, fingindo ser quem não somos, mas sabendo que seremos. Laços cada vez mais fortes nos únem, nos fazem um. É bom saber que tem gente que nos inspira com sua transparência, como o Tio Afa. "Você pode me chamar de sonhador, mas eu não sou o único"(Lennon). Gente que cresce por dentro, sem ninguém ver, e floresce surpeendentemente, lembrando-nos que enquanto fugimos da responsabilidade, Deus trabalha mesmo assim. Nosso quarteto da sorveteria, e muitos outros. Espero que continuem crescendo, continuem reformando a si mesmos e uns aos outros (me incluindo nesse processo). À todos:

"Como arroz e feijão, a perfeita combinação, soma de duas metades. Como arroz e feijão, que só se encontram depois de abandonar a embalagem. Mas como entender que os dois, por serem feijão e arroz, se encontram só de passagem? Me jogo na panela, pra nela eu me perder. Me sirvo à vontade, que vontade te vos ver. O dia do prato chegou, é quando eu encontro vocês, nem me lembro que foi diferente. Mas assim como veio acabou, e quando eu penso em vocês, choro café e vocês choram leite." (Fernando Anitelli, modificado)

E pra terminar, uma poesia que saiu ao observar um pardal perto de mim no "Bom Dia, Espírito Santo"...

Canta o pequeno pardal
Conta aos quatro ventos
As aventuras deles
Ao invés de viajarem pelo mundo
Abriram as portas
Do perigoso castelo
Que em cada montanha
Do ser humano
Jaz imponente

Feliz o que arrisca tudo
Para limpar o coração
E de castelo em castelo
Caminhamos maltrapilhos
Conhecemos mundo
Sem ir além de nossos vizinhos
Caminhamos sem saber o caminho
Só seguindo o facho mortal
Que deixamos nos invadir
Refletindo por todos os cantos
Chutando as banquetas
Que nos serviam de apoio
E que disseram outrora
"Te levarei ao céu"

Um grande abraço, já sinto saudades de todos... Em breve nos veremos...

O IPL acabou...

...mas não acabou! Primeira semana, saudosismo, segunda semana, saudosismo consolado e conformado, troca de figurinhas, silêncio reflexivo. De volta à imperfeição da realidade. Novo ano, novas pessoas, novos desafios. Amigos. Muitos estão distantes, mas próximos (vocês sabem). Conversas, consertos. Continuar navegando e descobrindo novas terras. Viajar sem sair do quintal. Às vezes saindo um pouco.

"Somos dois
Longe
Aos gritos
Abismo nos separa
De onde veio?
Cresceu à noite
Enquanto dormia
E sonhava ser deus
Agora sou metade
E a meta é ser inteiro
Que grande vaidade
Me enxerguei nesse janeiro
Mas taí o inteiro
Que nunca foi terço
Se faz ponte entre as metades
Unindo preto com branco
Eu comigo mesmo."

Divulgar conteúdo