Protestos do dia naciturno

O Sol se ergueu de manhã
e tudo foi se colocando debaixo dele
Todas as flores brancas de outono
debatem sérias
deliberam com minha memória
e decidem ser novas
e elas nem têm argumentos
Entretanto, o ar soa convincente
e o vento leva as folhas somente
porém, gritam que não são as de nunca

Antes coçava a cabeça
hoje bebo um bom gole do vinho novo
e a cada passo na calçada dessa vida
sinto que nasci ontem
e pouco me importa o resto

O Sol se pôs hoje de noite
mas nada virou de cabeça pra baixo
O hoje já virou ontem
e o novo hoje recomeçou
E tudo de novo ao seu tempo
e todo o novo em seu tempo

E a desistência se faz frutífera
se transforma em permanência
o café forte da manhã
a fé do fraco em seu bom-dia.

nossa cara, vc só tem

nossa cara, vc só tem melhorado os poemas! muito bom!! a leitura nos edifica!

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação