a moça de azul e sorriso e sandálias que vai além da praia

A música que sai é e não é
entra e sai pondo livros de volta na estante e na mesa.
A existência volátil da nota vazia se mistura ainda
como sangue em leite, desfazendo-se perante o futuro.
O passado, velho triste que caminha em círculos
fecha os pesados olhos claustrofóbico.
Ela se faz sensível como veludo ao toque de verdade
dança flutuando sobre tábuas enfraquecidas
seu perfume irresistível de profundo silêncio embriaga o estupefato
&nbsp &nbsp &nbsp presente.
Toda a sala, repleta de corredores, demole-se num campo verde
e nota-se à plena luz do visível e etéreo
a fuga retroativa dos sustentáculos.
Não passava de um emaranhado multiforme de atrocidades
&nbsp &nbsp &nbsp auto-flagelantes, mas irremediavelmente sufocantes.
Quer dizer, não mais, ou menos...
Só isso que sempre foi
Só a suave destruição dos auto-maléficos desígnios do cotidiano.
Ainda desaparece a sempre acessível, à marca das sandálias
&nbsp &nbsp&nbsp nazarenas nunca-gastas.

....você voltou a escrever em

....você voltou a escrever em códigos...não deu para decifrar!!o que é a fuga retroativa dos sustentáculos? quais são os designos maléficos do cotidiano?vc poderia colocar uma legenda para os leigos entenderem!!! pode perguntar de quem são as sandálias....hehehhe?????abraços!!

Pode ser sim, de fato é um

Pode ser sim, de fato é um dos poemas mais estranhos que já escrevi (e por isso que gosto dele). Mas minha poesia é sempre bastante experimental, sujeita à mudanças...A idéia do poema visual não é que se compreenda de fato o sentido isolado das palavras, até mesmo porque isso seria uma confusão semântica, não teria sentido mesmo. Não que seja trivial, mas o que importa ao ler é a impressão, a visão que se tem, o efeito desse jogo de palavras na sua imaginação e no que você sente e acredita. É bastante subjetivo, é bastante solto, mas afinal, é poesia, não é?

eu sinto +)

eu sinto +)

...certo...tentarei

...certo...tentarei compreender melhor, apesar das lacunas.

Parece um sonho,

Parece um sonho, rapaz...Aqueles sonhos malucos que temos nas boas e profundas noites de descanso, onde o caótico aparece como algo tão comum.E entendo o que nos dá a fuga do caótico e o acesso ao céu. Abraço.

bom, como sempre, vou ser

bom, como sempre, vou ser sincera. ainda nao li, mas vim deixar minha marquinha aqui e gravar seu endereço no bloglist do meu blogzinho pra um dia poder ler de verdade! =)foi ótimo te conhecer no cf!kiss kiss da jessica!

só não achei a cor

só não achei a cor azul.talvez um lilás encardido.Mas são só imagens belissimas, por sinal.ops, retiro o só. Pq imagem vale mais do q mil palavras.Obrigada pela poesia, me fez mt bem le-la (mesmo q tardiamente)

Meu, nem imaginava que essa

Meu, nem imaginava que essa poesia daria o que falar... Olha só, que irônico: "Uma imagem vale mais que mil palavras". Assim sendo, como li por aí outro dia, tente dizer isso com palavras... Prefiro construir as próprias imagens com elas, fica mais confuso para os outros...

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação