Ensaio sobre a Surdez

Música despertando... O martelo e a bigorna em plena atividade desde o primeiro abrir das pálpebras. São dois pequenos ossos, que juntos com o tímpano transformam ondas de compressão e descompressão do ar em estímulos nervosos interpretados pelo cérebro. Do outro lado, um aparelho emite essas ondas om um eletroímã. Eletroímã é uma bobina que, ao ser atravessada por uma corrente elétrica, gera um campo magnético. A variação na corrente faz o eletroímã e o ímã se atraírem e repelirem em determinada frequência, que ao ser interpretada pelo cérebro, interrompe o ciclo de sono humano. Bom dia!

A leve indisposição causada pelo mau-jeito ao dormir, decorrente da falta de um colchão de densidade adequada, maus hábitos de postura e um travesseiro não ortopédico causam uma rejeição à qualquer onda sonora maior do que um sussurro. Sussurra um resmungado "bom dia" a quem passar pelo caminho. Da porta em diante são muitos decibéis de caminhada ininterrupta. Mochila nas costas, pronto à rotina. Conversa matinal perturbadora, curvas deslizantes negando a paisagem estática de paz. estática da TV que não pega de jeito nenhum. " O gato deve ter derrubado a antena de novo". Maldito gato que miava incessantemente na madrugada, obrigando à um isolamento do complexo martelo-bigorna com um pedaço de polímero sintético a produzir uma doce sensação de alienação pacífica... sintética. Antes tivesse um martelo e uma bigorna para castrar o bichano.

Outro pedaço de plástico se insere no corredor da bigorna e do tímpano, produzindo dessa vez um som agradável ao ser humano. As múltiplas frequências se originam de um pequeno aparelho de menos de 50 reais comprado na lojinha "xing-ling" da capital. "Não, não é Sony não, é palalelo. Mas tem galantia!" os chineses são incapazes de pronunciar o timbre de frequências sonoras que chamamos de "erre". Eles imigram em navios, muitas vezes clandestinamente, em locais de muito barulho e poucas condições favoráveis, enquanto esse pequeno aparelho viaja confortavelmente entre milhões de olhos-puxados para nos amaciar a solidão do mundo moderno.

"Oh brother, I can't, I can't get through
I've been trying hard to reach you
But I don't know what to do..."

A retina incomodada pela excessiva luminosidade não filtrada pelas janelas do transporte coletivo é subitamente protegida por um pedaço de plástico (sintético) que escurece a visão e de quebra oculta a identidade. Nem precisava. O motor do ônibus faz um barulho ensurdecedor, e o volume do eme-pê-três não consegue se distinguir nas tantas frequências que fazem o martelo e a bigorna trabalharem arduamente. A esquina virada contribui com o pagode do bar recém aberto. São muitas pessoas procurando alguma coisa perdida no chão e no horizonte. Buzinas reclamam histericamente do trânsito insuportável. Os trens fazem barulho, mas preferia-se ainda tê-los do que ouvir essa anti-sinfonia (sintética) do dia-a-dia.

"Oh brother, I can't believe it's true
I'm so scared about the future and
I want to talk to you..."

O refrão é mesmo muito bom, mas não deu pra ouvir com a acelerada do veículo, seguida da engraçada coreografia dos passageiros que estão de pé e passam a fazer caretas de desaprovação. Não adianta xingar, já existem demasiadas ondas de compressão e opressão.

Só mais uma pequena correria, só mais um barulhento dia. Os cilindros e pistões ecoam em muitas tonalidades, sapecados aqui e ali com latidos estridentes. A combinação lentamente fadiga os neurônios levando a um estado de indisposição que inibe as expressões faciais. Cada tecla pressionada é mais uma martelada, e mesmo palavras soam irritantes. A música da noite, o barulho do grafite tentando mais uma vez terminar o trabalho, a sonolência saturada (e sintética) vez por outra interrompida por um toque de telefone e... A frequência produzida por um eletroímã desencadeia o fim de um ciclo de sono em que se sonha com um mundo de gramados verdes, nenhum motor, nenhum barulho e somente paz...

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação