Aventuras del vale

Para abril não passar em branco:

Tenho dado desculpas a mim mesmo. Tenho tido pena de mim mesmo. Creio que não tenho sido sincero. Mas sou fraco. Sua mão, incrivelmente, apesar de não ser novidade, tem me sustentado. Às vezes me sinto como se tivesse muito o que fazer e não tivesse como. O amanhã me persegue irremediavelmente. E quando percebo isso, me lembro da verdade que me norteia (mas nem sempre), e procuro voltar-me ao hoje, nesse santo Carpe Diem, paradoxal, porque o senso de urgência faz parte da vida integral no presente. Mas ele não domina. O Tempo não é senhor. Já o senhor do tempo e da história, esse sim.

Àqueles com os quais minha comunicação é fisicamente prejudicada (novamente as desculpas...), é bom explicar um pouco do que acontece à este andarilho:

Já morri e ressucitei algumas vezes. o.O... A morte nunca é agradável, mas é necessária, como já dizia o sábio de Eclesiastes: "Há tempo de morrer (...)". No último desses casais morte-ressureição da vida cristã, à saber, no IPL 2007 (Instituto de Preparação de Líderes), diversas coisas novas se tornaram parte deste novo ser. Uma nova jornada começou. Lembro-me de ter ouvido alguém dizer que momentos de nascimento, de "descanso no monte", precedem vales tenebrosos. Jamais experimentei, em meus "eus passados", esse princípio com tanta intensidade. Contudo, tive um mês de fevereiro para descer lentamente do monte (um mês bastante produtivo, por sinal...), e que foi tão importante quanto o renascimento. Foi um momento de amadurecer este novo ser.

Após a descida, as águas de março fecharam o verão com suas tempestades (desculpem o drama, mas a poesia é irresistível). Na vida acadêmica, teve início meu 5o semestre, que logo descobri ser o mais estressante do curso até o momento. Somado à isso, o senso de urgência de fazer jus à iniciação científica que havia conseguido (e as constantes impressões de não ser bom o suficiente). Ainda falando da rotina, cotinuei (e ainda continuo) vindo de Jundiaí à Campinas todos os dias, totalizando, em média, 1h40 de ônibus por dia. Como nunca se está suficientemente fundo no vale, a coordenação da ABU se tornou uma tarefa angustiante (entendam.... Para mim!). Tinha a impressão de que ninguém tinha tempo ou vontade de ajudar. Estávamos (e ainda estamos) sem um tesoureiro, e adiamos todos os eventos marcados, por uma falta de organização. Contudo, Deus tem feito a sua obra na faculdade, e pessoas novas estão se aproximando do grupo, querendo auxiliar.

Bom, em meio à tudo isso, hoje reconheço a sabedoria de Deus, como ele disse à Daniel, quando falava dos últimos tempos: "Alguns sábios tropeçarão para que sejam refinados, purificados e alvejados" (11:35). Sabedoria que persiste até hoje, como se pode aprender ao assistir Pequena Miss Sunshine: "Os períodos da vida em que mais sofremos, são aqueles nos quais mais aprendemos e crescemos. São os que mais tem graça". Ah, a graça, que se transforma e renova, graciosamente, indomável, ininteligível.

Sou o que sou
Ainda que não saiba

Afinal, do ontem pouco restou
E o amanhã ainda não deu as caras

Serei o que não sou
Essa é minha esperança
Fortalecida pela promessa
Pois ainda hoje
Já sou o que não era

Ainda que se estenda o vale
Vale mais a pena continuar
Para que, custe o que custar, ter o que contar
Não ter pena de morrer
Não custa nada ressucitar
É de graça, é da Graça, tem mais graça.


Um grande abraço à todos!!

glauber!! amei seu blog! sua

glauber!! amei seu blog! sua sinceridade, simplicidade e poesia! de verdade!beijo grande da amiga distante que vc conquistou no IPL, Tati!

que postagem mais sincera...

que postagem mais sincera... rsrs...